Bio

Rodrigo Monte começou a estudar fotografia em 1988. Dois anos mais tarde, trabalhava como assistente em um estúdio no Rio de Janeiro. Durante o ano de 1991, estagiou no longa-metragem “Era uma vez…” (de Arturo Uranga), atuando em diversos departamentos como locações, direção, edição e câmera. Ele continuou assistindo fotógrafos e diretores de fotografia até 1993, quando se mudou para Nova York com o objetivo de aumentar sua experiência.

Lá, dirigiu a fotografia de três curtas-metragens (NYU), fez assistências de câmera e trabalhou principalmente para o fotógrafo Claudio Edinger e diretor/fotógrafo James Moore.

De volta ao Brasil (1997), passou a trabalhar exclusivamente como assistente de câmera em diversos comerciais e longas-metragens. Desenvolveu uma relação mais próxima com os diretores de fotografia Gustavo Hadba (“Caminho das Nuvens” de Vicente Amorim), Marcelo Brasil e Affonso Beato ASC, ABC (“Orfeu” e “Deus é Brasileiro” de Carlos Diegues) com quem chegou a realizar filmagens de segunda unidade e dividir alguns trabalhos.

Com o lançamento em 2001 do documentário de longa-metragem “2000 Nordestes” (de Vicente Amorim), Rodrigo completou sua transição para a direção de fotografia e operação de câmera filmando uma variedade de comerciais, clips e o longa-metragem “A Cartomante” (de Pablo Uranga e Wagner de Assis, 2004). Em 2005 o curta-metragem “Desejo” (de Anne Pinheiro Guimarães) rendeu-lhe o prêmio de melhor fotografia no Festival Internacional de Gramado. Em 2006, Rodrigo trabalhou no longa-metragem “Amor nos tempos do Cólera”(de Mike Newell) , adaptação do livro de Gabriel Garcia Márquez para o cinema, como operador de câmera e diretor de fotografia da segunda unidade.

Em 2007, ele ganhou o prémio ABC de melhor fotografia de curta-metragem com o filme “Balada das duas mocinhas de botafogo” (de João Caetano Feyer e Fernando Valle). Ainda neste ano, trabalhou como operador de câmera em outras produções de ficção, algumas de grande porte, como “GOOD” (de Vicente Amorim), “Ultima Parada 174” (de Bruno Barreto) e “HULK” (de Louis Leterrier).

Em 2008, dirigiu a fotografia do longa-metragem “O Inventor de Sonhos” (de Ricardo Nauemberg) e em 2009, fotografou 13 episódios da série de TV “Descolados” para a MTV, com produção da Mixer.

No inicio de 2010, Rodrigo fotografou o longa-metragem “Corações Sujos” de Vicente Amorim, sobre divergências dentro da colônia japonesa no interior de São Paulo, logo após a segunda guerra mundial. Durante 2011, se dedicou a série de TV “Mulher Invisível” com direção de Claudio Torres, Carolina Jabor e Selton Mello, uma produção da Conspiração filmes para a TV Globo, série que ganhou o premio Emmy Internacional em 2012.

Em 2012/2013 fotografou os Longas “Beatriz” de Alberto Graça e “Confia em mim” de Michel Tikhomiroff, além de dirigir a fotografia das três temporadas da série “Sessão de Terapia”, para o canal GNT, com direção de Selton Mello.

Com as séries “Sessão de Terapia” e “Mulher Invisível”, conquista por duas vezes o premio ABC para melhor fotografia para programa de TV.